VIII Ninguém é uma ilha

Por: fabiserra

mar 27 2011

Categoria: Sem categoria

Deixe um comentário

(Colaborem com a salvação do mundo!)

 

Chegamos à última parte de nossa pequena reflexão sobre livros. Como vêem, tem um título que talvez espante um pouco.

Ninguém é uma ilha – significa simplesmente: que o tempo em que cada um podia viver isoladamente passou, que precisamos uns dos outros. […] Que vivemos no mesmo mundo e temos o dever de fazer tudo para conhecer e ajudar nosso semelhante. O tempo do isolamento acabou. Estamos diante de uma grande mudança. Temos de estar informados sobre o que acontece em nós e ao redor de nós.

Mas ninguém pode nos informar melhor sobre esse acontecimento poderoso e misterioso do que as pessoas que hoje escrevem livros em todos os países desta Terra que poderia ser maravilhosa. Temos de ler esses livros – não para ajudar outras pessoas, mas para ajudarmos a nós mesmos. Temos de começar a pensar por nós. Se não fizermos isso em breve, será tarde demais. E seria uma pena, não é verdade? Pena por nós e pelas campinas verdes, pelas florestas densas, pelos girassóis, e pelas borboletas também, pena pela nossa Terra, que é maravilhosa. Ou não é?

Por isso – não apenas por tédio ou para nossa diversão pessoal, mas para darmos nossa colaboração à salvação desta Terra confusa que cambaleia entre suas crises – temos de ler. Já, hoje, não só amanhã. Hoje ainda temos tempo. Amanhã talvez seja tarde demais.

Talvez agora vocês dêem de ombros e murmurem: “É propaganda”. Seria uma tolice. Um homem que fabrica salva-vidas não pode ser censurado se fizer propaganda de seu produto. Pois esse produto ajuda a salvar a vida de pessoas que estão em aflição. O mesmo acontece com livros: também devem salvar nossa vida. Se não percebemos isso, morreremos tods – textualmente…

Ninguém mais pode fugir dessa tarefa valiosa: ler e pensar. Muitos ainda tentam, mas não adiantará nada. Terão de reconhecer que o grande inglês John Donne estava muito certo ao escrever, há muito tempo, estas linhas, com as quais encerro minha pequena reflexão sobre livros:

“Ninguém é uma ilha solitária.
Todos são partes do continente, um pedaço de terra firme.
Se o mar arrancar um torrão de terra, a europa inteira
ficará mais pobre, como se fosse engolida uma
ponta de terra ou um castelo que pertenceu a teus
amigos ou a ti.
A morte de cada pessoa me deixa mais pobre, pois estou
envolvido neste mundo humano.
Por isso nunca peças para saber quando soará a hora:
Ela está sempre soando para ti”

Mario Simmel

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: